Troca de bebês na Santa Casa de Araçatuba vira caso de polícia

A troca de dois recém-nascidos na Santa Casa de Araçatuba gerou confusão entre familiares e funcionários, na noite de ontem (16), e virou caso de polícia na madrugada de hoje (17). Os bebês ficaram por cerca de 9 horas com a mãe errada.

A destroca foi feita após um parente notar o equívoco e acionar a Polícia Militar. As mães e seus respectivos recém-nascidos continuam internados no hospital.

De acordo com o registro policial, as duas mães deram entrada no hospital na segunda-feira (15). Ambas foram submetidas a cesariana e tiveram duas meninas.

Segundo relato de uma delas, que mora em Araçatuba e tem 21 anos, sua filha, com apenas um dia de vida, foi levada pela equipe de enfermagem por volta das 9h da manhã desta terça-feira para o banho diário. O retorno ocorreu cerca de uma hora depois.

A outra mãe, de 27 anos e que reside em Bilac, disse a mesma coisa à polícia. Ela argumentou que sua filha foi levada por volta das 9h para o banho, tendo o funcionário retornado ao quarto às 10h.

A troca dos bebês foi notada por uma parente da mãe que mora em Araçatuba. Ela contou aos policiais que tinha visto foto da menina e que a criança que ela visitava não se parecia com ela.

A confirmação do equívoco ocorreu quando a pulseira de identificação no braço da recém-nascida foi consultada. O nome de mãe era outro, o da moradora de Bilac.

A mãe de Bilac disse não ter notado a troca pelo fato de o bebê ter dormido boa parte do dia. Ela afirmou que soube da confusão quando funcionários foram até seu quarto para pegar a menina, na noite de ontem.

Diante da confusão, a Polícia Militar foi acionada e registrou a versão das mães e testemunhas. O atendimento no local foi feito pelo tenente PM Siqueira e cabos Luís Antônio, Gudaitis e Pavan.

OUTRO TURNO
Duas enfermeiras ouvidas disseram que, ao comprovar a troca inicialmente alertada por familiares, os bebês foram levados para o berçário, onde se deu a destroca das meninas, após confirmação do erro.

As funcionárias disseram à polícia que o incidente ocorreu durante o dia, portanto em outro turno de serviço.

ECA

A ocorrência foi apresentada no início da madrugada de hoje na central de flagrante de Araçatuba. O delegado plantonista Flávio Barbieri Brassioli enquadrou o caso com base no artigo 229 do ECA (Estatuto de Criança e Adolescente) – “Deixar o médico, enfermeiro ou dirigente de estabelecimento de atenção à saúde de gestante de identificar corretamente o neonato e a parturiente, por ocasião do parto, bem como deixar de proceder aos exames referidos no art. 10 desta Lei”.

O artigo prevê pena de detenção de 6 meses a 2 anos, quando o ato é praticado com dolo (intencional); e de detenção de 2 a 6 meses, ou multa, em caso de procedimento culposo (sem intenção).

 

Fonte: Da redação/com informações RP10

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

1
Olá !
Fale Conosco.
Powered by