PENÁPOLIS: PM apreende objetos com aluno que fazia apologia ao ataque em Suzano

Tinha réplica de fuzil, dois socos ingleses, facão e canivete, objetos que utilizava para postar fotos na internet

Um menino de 14 anos foi parar na delegacia em Penápolis (SP), na tarde desta terça-feira (19), acusado de fazer apologia ao ataque que resultou em dez mortes em uma escola de Suzano (SP), na Grande São Paulo, na quarta-feira (13).

Na casa dele os policias apreenderam uma réplica de fuzil, dois socos ingleses, uma faca tipo canivete e um facão. Segundo apurado pela redação, ele não se pronunciou sobre os objetos apreendidos.

A apreensão aconteceu por volta das 14h, após a Polícia Militar ser acionada pela direção de uma escola estadual da cidade, que informou que um aluno estaria postando nas redes sociais, fotos relacionados ao ataque na escola em Suzano.

Postagens

As publicações feitas pelo estudante teriam sido vistas por outros alunos da escola, que informaram a direção. Uma delas tem foto dos assassinos de Suzano mortos, caídos no chão, com a legenda: “Bye bye vou dormi até amanhã pra quem for na escola”.

Em outra postagem, o adolescente aparece usando uma máscara semelhante à utilizada pelos autores do massacre e segurando a lâmina de facão com uma das mãos e a réplica de fuzil com a outra.

Adolescente publicou na internet foto segurando facão e fuzil (Foto: Reprodução)

Apreensão

Após tomar conhecimento das publicações, a direção da escola conversou com o estudante e acionou o Conselho Tutelar e a Polícia Militar. Equipe foi até a escola, confirmou as informações e conseguiu contato com a mãe do adolescente.

Ela confirmou que o menino tinha no quarto dele uma réplica de arma de fogo e autorizou os policiais vistoriarem a casa, que fica no bairro Alphaville.

Durante a vistoria, os policias encontraram a arma de brinquedo e os demais materiais, que foram apreendidos e levados para a delegacia. A polícia também apreendeu o telefone celular que estava com o garoto.

Investigação

Um boletim de ocorrência de ato infracional de apologia ao crime foi registrado e o caso encaminhado à Vara da Infância e Juventude para providências.

A Polícia Civil, que investigará o caso, não se pronunciou até o momento, informando que caberá à Promotoria da Infância e da Juventude falar sobre o caso. A reportagem não conseguiu localizar o promotor da Infância e da Juventude. 

Fonte: Da redação com informações HojeMais