Homem agride e estupra companheira que faz tratamento contra câncer no cérebro em Araçatuba

A agressão e o estupro começou após a mulher não estar afim de ter relação sexual com o esposo naquele momento.

Um auxiliar geral de 28 anos foi detido em flagrante na manhã desta terça-feira em Araçatuba acusado de estupro, agressão, violência doméstica e ameaça contra sua companheira, uma dona de casa de 29 anos, que há dois meses faz tratamento contra um tumor (câncer) maligno no cérebro. Ele inclusive bateu a cabeça da vítima várias vezes contra a parede. O mais surpreendente é o que motivou tudo isso. De acordo com a vítima, ele queria a todo custo fazer sexo no momento em que ela não estava disposta, e após agredí-la, acabou consumando o estupro.

O caso revoltante aconteceu no início da manhã desta terça-feira em um assentamento em Araçatuba. A vítima contou à reportagem que nunca havia sido agredida por seu companheiro. Na manhã desta terça-feira, ao acordar, ele queria fazer sexo, mas ela não estava disposta.

Diante da recusa, o homem começou a ficar agressivo e disse que ela não tinha que querer ou não, e quem decide sobre isso é ele. Em seguida agarrou a mulher e começou a bater a cabeça dela contra a parede. Ela disse que está toda cheia de hematomas nas pernas e braços, que foram ocasionados pelas agressões com socos e chutes.

Após a sessão de espancamento, o homem passou a rasgar e arrancar a roupa da companheira e consumou o estupro mantendo conjunção carnal vaginal e anal. A mulher disse que não conseguiu pedir socorro porque no assentamento são vários sítios e os vizinhos ficam muito distantes. Para conseguir acionar a polícia, ela colocou uma cadeira sobre a outra e subiu no telhado da casa.

Os policiais conseguiram prender o acusado em flagrante. Ele foi encaminhado para audiência de custódia e vai responder ao processo em liberdade. A mulher conseguiu medida protetiva para evitar a aproximação do seu agora ex-companheiro. Com medo, ela relatou ao Regional Press que já foi com um parente até o assentamento, pegou suas coisas e está se mudando para outra cidade.

Como está em tratamento no setor de oncologia da Santa Casa, ela terá de vir com frequência a Araçatuba, e está com medo do agressor. A mulher disse que até pensa em retirar a queixa temendo represálias, principalmente pelo fato dele estar solto.

 

Fonte: Da redação – com informações RP-10

1
Olá !
Fale Conosco.
Powered by