GOE prende jornalista por furto de energia em Birigu

Investigada alegou que tinha ‘autorização’ da Justiça que proibia equipe da CPFL Paulista medir o consumo mensal

O GOE (Grupo de Operações Especiais) da Polícia Civil de Araçatuba (SP), prendeu na manhã desta quinta-feira (11), em Birigui, uma jornalista de 60 anos, acusada de furto de energia elétrica. Ela não estava permitindo que os agentes fizessem a leitura do consumo.

Como o crime é inafiançável na fase policial, a investigada seria encaminhada à cadeia de Lavínia para posteriormente ser apresentada em audiência de custódia.

Segundo apurado pelo Hojemais Araçatuba , os investigadores foram até à casa da acusada, na vila Guarujá, em cumprimento a mandado de busca e apreensão expedido pela 1ª Vara Criminal de Birigui.

Os policiais acionaram o interfone, que foi atendido por uma mulher que desligou assim que eles se identificaram. Como o portão não foi aberto, um dos investigadores pulou o muro e passou a bater nas portas.

Após certa insistência, os policiais foram atendidos e entraram na casa, acompanhados de técnicos da CPFL Paulista.

Mandado

Ao ser informada de que havia um mandado de busca para a casa devido à suspeita de furto de energia elétrica, e que o medidor seria vistoriado, a jornalista alegou que tinha autorização judicial que impedia o acesso de técnicos da companhia de energia na casa dela.

De acordo com a investigada, devido a essa autorização, as medições de consumo não vinham sendo realizadas mensalmente.

Fraude

Apesar dos argumentos, os técnicos da CPFL vistoriaram o relógio, com auxílio dos policiais. Havia um cadeado bloqueando a caixa de energia, o qual teve que ser estourado, e foi constatada fraude no medidor.

Segundo a polícia, os lacres estavam rompidos e a parte interna do relógio, onde fica a engrenagem que mede o consumo, estava manipulada.

Também foi constatado que apesar de o fornecimento de energia para a casa da investigada estar suspenso, havia vários aparelhos elétricos e eletrônicos em funcionamento, entre eles a geladeira e o celular de sobrinha da jornalista, ainda adolescente, que dormia no imóvel.

Contas

Os técnicos analisaram as contas de energia do imóvel e constataram que o valor da fatura deste mês é de R$ 9,76 e havia contas de meses anteriores sem cobrança.

O relógio medidor da casa da investigada foi apreendido para perícia e ela foi levada para a delegacia, onde teve a prisão por furto qualificado mantida pelo delegado que presidiu o flagrante.

Fonte: Da redação com informações Lazaro Jr – Hoje Mais